Como colar peças de pequeno formato em exterior

Veja nesta página os problemas mais comuns que lhe podem surgir e a solução weber a adotar para os resolver.

Problemas comuns e questões que pode enfrentar

colagem_pequeno_formato_exterior_problema_f1

1.

Nos suportes produzem-se deformações que são transmitidas aos revestimentos cerâmicos. Quanto mais alta for a fachada, é normal serem maiores as deformações provocadas pelo edifício. Estas deformações devem ser minimizadas, com a utilização de cimentos-cola flexíveis, adequados à dimensão do revestimento e à altura da fachada onde ele é colado.

colagem_pequeno_formato_exterior_problema_f2

2.

Em exteriores, os agentes climatéricos, como a chuva, o sol e o gelo atuam sobre o revestimento provocando tensões muito fortes. Estes agentes, em especial a ação dos ventos, reforçam a necessidade de adequar o cimento-cola à altura da fachada. A colagem de revestimentos cerâmicos acima de 6 metros de altura, em fachadas, requer um reforço adicional no sistema de colagem, de forma a minimizar todos os fatores de risco que envolvem colagens em altura.

colagem_pequeno_formato_exterior_problema_f3

3.

As peças cerâmicas do revestimento de fachadas dilatam e contraem por ação do calor e do frio, respetivamente.
Estas dilatações e contrações obrigam à utilização de um cimento-cola com aderências melhoradas e com flexibilidade.

colagem_pequeno_formato_exterior_problema_f4

4.

Por causa destas tensões no revestimento cerâmico de fachadas devem prever-se juntas de colocação, juntas entre peças, com uma largura mínima de 4 mm considerando peças de pequeno formato. Estas juntas de colocação deverão ser preenchidas com uma argamassa própria para exteriores e com deformabilidade.